terça-feira, 25 de junho de 2013

Os castelos de piratas do Reno

Pfalzgrafenstein

Alguns dos castelos do Reno que depois viram nascerem estirpes feudais foram outrora ninhos de piratas.

Em geral os rios antes de aparecerem a grandes rodovias eram usados como as rodovias hoje.

O Reno servia para exportar mercadoria da Suíça, onde nascia, e da Alemanha até o Mar do Norte. Era só ir rio abaixo.

Isso tornava o rio uma rodovia aquática muito cômoda.

Esses piratas ficavam com castelos bem à beira do rio, ou em ilhas dentro do Reno.

Quando eles viam se aproximar flotilhas de naviozinhos cheios de mercadoria, eles iam com homens de armas, pegavam as mercadorias todas, roubavam e matavam e ficavam ricos.


Pfalzgrafenstein conserva o perfil de um navio de interceptação
Depois, sob a influência da Igreja Católica veio o apaziguamento, e os costumes se tornaram mais civis e menos belicosos.

Ao longo do tempo, nasceu naquelas fortalezas uma “vie de château” (“vida de castelo”) cristã.

Os piratas foram mobiliando e adornando seus castelos, tomaram ares nobres, se civilizaram.

Depois conseguiram comprar de verdadeiros nobres terras que conferiam um título de nobreza.

Afinal, o neto ou bisneto do bandido acabou virando um pequeno barão civilizado que já não roubava mais os navios.

Um exemplo: o castelo de Pfalzgrafenstein (em alemão: Burg Pfalzgrafenstein) sobre o recife da ilha Falkenau no Reno.

Ele ficou conhecido simplesmente como “o Pfalz” e é um dos mais famosos e pitorescos.

A planta da torre central é pentagonal e aponta contra a correnteza.

Foi erigido entre 1326 e 1327 pelo rei Luis da Baviera.

Castelo de Gutenfels no alto, e cidade de Kaub embaixo
Entre 1338 e 1340 foi acrescido de um muro hexagonal.

E entre 1607 e 1755 ganhou as torrezinhas nos ângulos enquanto a torre principal foi coroada com uma típica ponta barroca, testemunhando a amenização dos costumes.

O castelo devia colher impostos para o rei.

Impostos não por todos julgados justos ou procedentes. Mas, ai de quem não pagasse.

Uma corrente de ferro atravessava o rio e obrigava barcos e barcaças a pararem.

Mais alto estava o castelo de Gutenfels e ao lado a cidade de Kaub de onde viriam homens para arrazoar o renitente pagador do imposto.

Os comerciantes que não abrissem o bolso podiam ir parar numa prisão em Pfalz.

E ali ficavam até o resgate ser coberto.

Por sinal, essa prisão consistia numa gaiola flutuante no rio.

Pfalzgrafenstein pátio interior revela vida austera
Contrariamente à maioria dos castelos do Reno, “o Pfalz” nunca foi conquistado ou destruído não apenas em guerras, mas também não por fenômenos naturais como enchentes.

Seus moradores, não mais de vinte, levavam uma vida autenticamente espartana.

Hoje, ele fica como um sorriso que testemunha o triunfo da Civilização Cristã sobre a barbárie.




GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

4 comentários:

  1. através dos castelos uma história não esquecida, perpetuada,história vividas perpetradas em cada pedra, tijolo, janelas que testemunharam fatos,vidas vividas, testemunho calado. Que os castelos sejam para sempre...

    ResponderExcluir
  2. são muito interesantes eu amei o de plinio correia de oliveira

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente maravilhoso... a história é fantástica.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.